14 março 2008

Desfolhando a rosa dos ventos


O urbanista Lúcio Costa visitou meus sonhos.
Os jornais fervilham notícias do novo bairro – Noroeste – em final de gestação e eu, como brasiliense apaixonado pela cidade, participo da torcida pela construção com bons resultados para a qualidade de vida dos futuros moradores e que o grande Lúcio Costa tenha orgulho de ter assinado o anteprojeto.
Quando o urbanista pensou Brasília focou o bem-estar do homem. Os prédios teriam altura limitada para não apagar o horizonte nem esconder o céu. A disposição dos blocos nas quadras seria de tal sorte que a fachada principal de um prédio não estivesse de frente com a fachada posterior do outro prédio. A proximidade dos blocos só aconteceria fundos com fundos com a privacidade protegida por elementos vazados denominados cobogós. Todos os apartamentos, por menores que fossem sempre teriam duas frentes para permitir a circulação do ar. Os cobogós atendiam com inteligência e baixo custo a função da iluminação, ventilação natural e privacidade.
Na época da construção existia muita pressa por isso vários prédios foram construídos sem subsolo e sem garagens. Havia poucos veículos. Agora recaem ao governo as cobranças de soluções para a falta de vagas de estacionamento e conseqüentes congestionamentos em muitas vias. Hoje a situação se agravou, temos um veículo para cada 2,5 habitantes. Os financiamentos facilitaram tanto a aquisição de automóveis que podemos observar que mesmo no comércio local é muito comum haver um ou até dois veículos por quitinete. Alerto que o projeto do Noroeste autoriza a construção de quitinetes em cima das áreas comerciais. Duvido que determine subsolos para abrigar automóveis.
Em algum lugar eu li que outro problema existente tanto no Sudoeste quanto no Plano Piloto, e que não existirá no Noroeste, é a instalação de escolas próximas a quadras residência. Isso, conforme a leitura, gera congestionamentos no trânsito. O urbanista Lúcio Costa pensou de forma oposta quando planejou Brasília com as escolas-classe dentro das quadras de forma que não fossem necessários veículos.
Em números redondos é possível estimar que para os 40 mil habitantes, estimados para o bairro, serão necessárias pelo menos 16 mil vagas. A conta se agrava quando o local é projetado para a classe alta onde a relação veículo/habitante é maior. Será que os prédios terão vários subsolos para absorver a demanda? Acho pouco provável. Os empreendedores, visando o lucro, dirão que atenderam ao projeto. Sem alardear que o projeto saiu do papel graças a um convênio firmado entre o GDF e a Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi).
A pressão das construtoras e imobiliárias é enorme, tanto que recentemente uma imobiliária de outro estado adquiriu o controle de duas imobiliárias tradicionais da cidade.
Em 2007, o MP – Ministério Público – entrou como uma ação na Justiça pedindo a readequação do plano urbanístico do bairro, que previa 80 mil moradores, apesar do Estudo de Impacto Ambiental autorizar apenas 40 mil.
O plano urbanístico foi refeito para 40 mil moradores, entretanto criaram uma brecha através de uma reserva destinada a urbanização futura onde cabem outros 40 mil moradores. Ou mais.
A propaganda existe para atrair. Por isso a campanha publicitária do Noroeste informa que será o primeiro bairro verde. O nome “verde” foi escolhido para sugerir construções ecologicamente corretas e não a derrubada de uma área verde, pois o terreno de 4 milhões de metros quadrados fica na Área de Preservação Ambiental (APA) do Planalto Central e foi preciso uma Licença especial de Instalação do Ibama para regularizar a expansão da cidade.
O nome verde está associado a ecologia e a um partido político. No Noroeste, conforme eu li, o verde estará presente na urbanização do Parque Burle Max e na promessa de bom aproveitamento da água, no uso de energia solar, com ventilação e iluminação natural, ciclovias e coleta inovadora de lixo.
A propaganda induz a pensar que todos os prédios serão equipados com coletores de energia solar. Este é um enorme investimento das construtoras que eu duvido que se realize. O máximo que vai acontecer será a iluminação de alguns pontos com investimentos bancados pelo governo, digo pagadores de impostos.Por favor, me belisquem, me acordem , digam que tudo não passa de um engano, de um enorme pesadelo.

2 comentários:

Ditaur disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Fantástico. Você mostra que é versátil.Que navega entre os contos e crônicas eu já sabia. Agora se mostra, através de um artigo atual. Gostei da leitura.
His

 
Search Engine Optimisation
Search Engine Optimisation